Biolandes

Produtor de óleos essenciais e de extractos naturais

Viagem ao país da rosa

Viagem ao país da rosa

A Bulgaria foi durante muito tempo a pátria da essência de Rosa, fornecendo o mundo inteiro da perfumaria de Genebra a Nova Iorque passando por Grasse. Duzentos anos decorridos da invenção da destilação da rosa em Kazanlak, a essência búlgara conhece uma época de ouro um pouco antes da Primeira Guerra Mundial. As reviravoltas da história fizeram posteriormente regredir esta produção até à sua quase total perda de notoriedade na década de 1980. Em meados da década de 1990 no entanto, a tendência inverteu-se e assistimos a um verdadeiro renascimento: novas plantações e novas destilarias, produções de qualidade. Hoje, a Bulgária conquistou de novo o primeiro plano no mundo da rosa de perfumaria.

A Biolandes envolveu-se desde logo nesta nova revitalização: criação da Biolandes Bulgária em 1996, plantação de 100 hectares de rosas e renovação de uma antiga fábrica. Este livro homenageia os Búlgaros que contribuíram para o sucesso desta implantação. Convida a descobrir a verdadeira história de uma campanha da rosa actualmente na Bulgária. À descoberta de uma alquimia forte entre uma flor, uma região, um conhecimento e o trabalho de milhares de pessoas empenhadas em manter vivo o perfume único da essência de rosa, emblema da perfumaria.

Autores das fotografias: Matthieu Sartre e Alexander Ivanov

Rosas no vale

Nas proximidades de Kazanlak, no sopé da cadeia de montanhas dos Balcãs, o Vale das Rosas estende-se por 80 km. Os campos de rosas Damascena são aí cultivados há mais de 300 anos.

Junho nos campos

Desde o final de Maio a meados de Junho, todas as manhãs, quinze mil apanhadores trabalham nos campos desde o nascer do dia. Com a ponta dos dedos vão colher cada flor desabrochada antes do meio-dia.

A rosa das trinta pétalas

Originária da Pérsia, a Rosa Damascena, a rosa das trinta pétalas é a mais rica em óleo essencial. O ideal é colhê-la assim que desabrocha quando o orvalho ainda protege o seu perfume da evaporação.

Três horas para encher um saco com flores

No final da fila de roseiras, as últimas flores antes de fechar um primeiro saco, depois de três horas de trabalho. Neste campo de vinte hectares perto de Shipka, no ponto alto da campanha, são necessários trezentos apanhadores todas as manhãs para colher todas as flores.

Cinco mil flores

Cinco mil flores num saco e, para os apanhadores experientes, três sacos durante a manhã. Gestos que se repetem durante os vinte e cinco dias da campanha.

Rosa branca

Algumas filas de Rosa Alba, uma Damascena branca com perfume muito intenso, mas actualmente abandonada pois dá menos de metade da essência.

Mãe e filha

Fim do dia de trabalho para a mãe e a filha antes do regresso à aldeia cigana. Muitos ciganos vivem no Vale, outros vêm do norte para colher as rosas antes da estação das cerejas e das uvas.

O ballet das carroças

Carroças e cavalos, um amuleto da sorte na testa. Estes atrelados percorrem os campos para transportarem os sacos até à estação de pesagem.

A pesagem, coração da vida do campo

Sob as estacas e um toldo em lona, as balanças e uma lareira sempre que as manhãs estão frias. O ponto de encontro dos apanhadores, dos transportadores, mas igualmente dos responsáveis pelo campo e pela destilaria.

Hora das contagens

Um saco pesa em média 15 quilogramas. Cada apanhador recebe uma senha por saco e o pagamento é feito duas vezes por semana.

A essência cativa

Prontos para serem transportados para a destilaria, os sacos são fechados para não perderem nada do tesouro que encerram: 4 a 5 gramas de essência...

Chegada à fábrica

Nove horas. Chegada dos primeiros sacos à fábrica da Biolandes de Zimnitsa. São, em seguida, repartidos pelos alambiques para a essência e os extractores para o concreto.

O ouro cor-de-rosa

Trinta sacos de flores para encher cada aparelho. Em poucos minutos, toda a fábrica cheira a rosas. Mais de cinquenta toneladas de flores são processadas todos os dias.

Cobre e inox

Na fábrica, os alambiques são em cobre e os extractores em aço inoxidável. Durante três semanas, a destilação prossegue dia e noite.

Da flor à essência

Duas horas no vapor do alambique para separar a essência das flores. É a primeira etapa do processo de destilação que termina no segredo da sala do florentino.

Seis milhões de flores num frasco

Todos os dias no aparelho em cobre florentino, a trasfega da essência é um verdadeiro cerimonial. No vaso em vidro, o perfume de 5 a 6 milhões de rosas!

As flores do orgulho

Das origens da essência ao seu apogeu, da decadência ao renascimento, a rosa de Kazanlak faz parte do património búlgaro. E todos os anos, o seu perfume nos campos, regressa para encarnar o orgulho de uma longa tradição e o desejo de perpetuar a sua história.